sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Quinta-feira 25/ 02/ 2016

Hoje faz um ano que estou desempregado, vagando pela cidade pedindo moedinhas as pessoas que passam por mim na rua. Finjo chegar em casa e ter alguém lá me esperando. Há seis meses minha mulher foi embora levando as crianças e meu cachorro. Minto quando acordo de manhã, minto quando tiro meu café de ontem da geladeira. Minto quando escrevo nesse diário, numa tentativa desesperada de ter minha família de volta. Minto se disser que luto pela vida.
Tudo tenta se acreditar mudança, mas acho que isso pertence apenas a natureza, pois aos humanos resta transformar-se. Mudanças são lentas e os humanos criaram apenas objtos de transformação. Maldita humanidade que não me deixa mudar mas me transforma.
Mudança exige paciência, pois é o dinâmico condutor do aprender e apreender do e com o mundo.
A humanidade te transforma para poder te encaixar em grupos que podem muito facilmente ser manipulados, pois onde todos pensam a mesma coisa, poucos pensam realmente. E assim a força que permite o movimento dos grupos muito facilmente manipula informações colocando grupo contra grupo, não permitindo que tenham mesmos objetivos, mas os distanciando permitindo que existam cada qual com o seu.
Gostaria de compreender melhor o que a humanidade gostaria... pois só a vejo como uma criança mimada expondo suas vontades.
Gostaria de ter meu amor de volta, mas acho que ela já encontrou um cara vencedor... não um cara que pega carona no ônibus.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Terça-feira 16/ 02/ 2016

Hoje vi meu filho mais velho. Ele nada me disse, apenas me olhou, abriu a geladeira, tomou água na boca da garrafa. Não tive coragem de repreende-lo, tanto tempo que não o via. Tenho vontade de abraça-lo, mas não sei o porquê, sinto precisar de coragem.
Gostaria que ele me falasse, mas olhou e viu um estranho. Joguei minha vida fora trabalhando para manter a boa vida de um governo que não me respeita.
Sinto como se os dias estivessem cada vez mais longos, minha família já é acostumada com minha falta.
Porra de café gelado. O que essa vaca faz todo dia que não quer mais fazer meu café.
Acho que minha esposa vai me abandonar. Quem sou eu para julgar sua decisão. Não estive presente para impedir que tal decisão fosse tomada. Será que ela já tem outra pessoa?
Seria muito fácil já que faço tudo igual todo dia com mesmos horários. Até a comida no meu prato parece um desenho. Queria ter coragem de dizer que apoio suas decisões.
Gostaria de tê-la feito feliz.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Sábado - 13/ 02/ 2016

Passei anos da minha vida estudando, mas o governo faz parecer que de nada isso me serve. Tenho de acordar na madrugada para ter tudo em ordem antes de sair. Então lembro de minha avô certo noite me informando:
- tá vendo teu tio ir dormir cedo... não estudou agora tem de acordar de madrugada para trabalhar na feira.
Minha avó sempre usou meu tio como exemplo de quem não quis nada com a vida, mas sempre que me lembro do meu tio ele estava saindo ou chegando do trabalho. Ele era mais que um sobrevivente... era um exemplo de filho que ajuda em casa. Ele sempre se entristecia quando minha avó ficava falando das coisas que o filho do vizinho tinha ou deixava de ter.
Meu tio começou a trabalhar ainda moleque e no momento que começou, largou a escola.
Tenho certa amargura com relação ao meu trabalho. Trabalho para pagar impostos que serão desviados pelo governo para seu beneficio pessoal. Trabalho para que o governo vote seus aumentos salariais quando bem entender e aumentar o meu salário uma vez por ano.
Por que minha esposa não tá fazendo meu café? Será que fiz algo errado? O que eu fiz? Preciso muito que ela me ajude todas as manhãs.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Sábado 06/ 02/ 2016

Saio todos os dias para um trabalho que causa no meu semblante um sorriso de infelicidade. A educação que recebo serve para montagem de meu portifolio de mentiras para contar. Lembro que na infância discutiamos terminar o secundário, hoje ensino médio. Na adolescência falavamos de faculdade e agora depois da faculdade temos de fazer mais faculdade.
Não sei onde realmente devo chegar, mas tenho total certeza de que minha vida tem se tornado uma enorme perda de tempo.
O tempo que gastei estudando, poderia ter arrumado um emprego para viver uma vida de cervejas de fim de semana.
Hoje minha mulher deixou outra vez o café na geladeira. O que ela anda fazendo enquanto estou no trabalho?

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Segunda-feira 01/ 02/ 2016

São três horas da manhã e minha esposa ainda não levantou para inventar meu café. Isso é estranho. Normalmente ela acorda antes de mim e quando termino meu banho meu café já está no canto da pia.
- Amor, você esta bem? Perguntei delicadamente a ela, que se embrulhou e virou para o outro lado.
Estou com fome e ela não que levantar.
-Amor aconteceu alguma coisa? Perguntei.
Ela resmungou que precisava dormir pois iria ter de sair mais tarde.
-Mas e o meu café? Perguntei.
-Está na geladeira, fiz ontem a noite. Disse ela.
Credo, café gelado. Posso saber onde você vai? Perguntei. Ela pediu para dormir e me mandou não pertubar.
Onde será que ela vai?
Hoje meu dia vai ser daquele jeito. Meu caminho a pé para o trabalho foi confortavelmente satisfeito pelos servidores públicos que apontavam um enorme trabuco na minha cara dizendo:
-Encosta ai vagabundo, disse o honesto cidadão. Enquanto seu companheiro torcia meu braço e enfiava a mão no meu rabo.
Santificado foi meu dia após um bem feito almoço. Coxinha de carne com ovo e suco de caju.