domingo, 19 de junho de 2016

Filho herói: a verdade da vida dói mais que a morte


Estava espalhando panfletos de oficinas numa igreja perto de minha casa quando percebi perto do quadro de avisos da igreja um senhor chorando, adoro me preocupar com estranhos ou como conseguiria minhas histórias inusitadas. Aproximei do senhor que tocava a xerox de um cartaz e soluçava chorando. Perguntei a ele se poderia ajudar. Ele disse que não. Continuou próximo ao quadro de avisos passando a mão no cartaz.
Me afastei um pouco e deparei com o pároco a quem perguntei o que acontece. Ele me olhou nos olhos e começou a me explicar a situação enquanto caminhávamos.
Aquele senhor procura o filho que desapareceu misteriosamente, assim ele conta sempre que perguntam. A criança foi sequestrada? - perguntei. Ele não sabe. O cartaz que ele tanto tateia é uma xerox do cartaz de procura-se que ele espalha por onde passa. Se ele contar a estória o senhor vai entender melhor. Mas ninguém o ajuda, a polícia, bombeiros, outros parentes.
Esse senhor era alcoólatra, viva aqui na porta da igreja pedindo dinheiro, as pessoas nem imaginavam que ele possuía esposa e filho. Certa manhã ele apareceu na porta da sacristia pedindo ajuda, não conseguia dizer nada, estava pálido e fedia muito. O padre o levou até o banheiro, deu-lhe banho, deu-lhe roupas e alimento. Ele não conseguia se levantar, certa madrugada ele ergueu-se e saiu andando sem dizer uma palavra. Dias depois retornou cheio de cartazes com borrões onde estava escrito PROCURA-SE.
Então, quando o filho desapareceu ele entrou em choque - afirmei.
Não! isso que foi o mais incrível. O padre foi atrás da família, da casa, da esposa, de alguém, mas não havia qualquer pessoa.
Então? - perguntei.
O Padre o parou certo domingo e perguntou que filho era esse que ele procurava. E ele disse:
- Como o senhor não lembra Padre, ele me entregou em suas mãos para que o senhor cuidasse de mim, exatamente ali naquela porta onde o senhor me recebeu. Ele me segurava enquanto o senhor me banhava e cantava sorrindo para o senhor. Como pode não lembrar. Eu o vi sentado ao seu lado enquanto o senhor lia a Bíblia pela manhã. Ele deitava do meu lado a noite e cantava para eu dormir.
O Padre espantado com o relato lhe disse: Filho, é o que todos somos.
Porra!... desculpa. Esqueci onde estava. Mas isso que o Padre disse não faz sentido - eu disse.
Ele me sorriu e disse: a verdade poderia mata-lo e destruir a pessoa que se tornou para tão infinita busca.
Então, ele melhorou de vida - eu disse.
Não. Apenas parou de beber.