quinta-feira, 26 de maio de 2016

ACAMPAMENTO MESTRE 70: enquanto houver vida viverei



A comunidade sempre esteve presente no espaço Mestre 70. Presente no futebol do fim da tarde, nos namoros adolescentes e nas mães passeando com seus menores.
Mestre 70 foi abandonado apenas pelo poder público, que desacredita das propostas culturais da comunidade, desacredita sua sensibilidade em existir. Em educar e educar-se.
A periferia possui atmosfera cultural própria. Sua alegria é contagiante. Seu futebol de molecagens misturado a uma juventude cheia de adultices. Juventude criminalizada por propostas culturais externas que romantizam projetos educativos. Projetos que ignoram a relação da comunidade com seu contexto.
É pouco mais de uma década dentro da escola, limitados a processos culturais que desmerecem a vida da comunidade.
A escola ensina a dizer o que é e o que não é e nesse caminho ensina desrespeitos. As comunidades da periferia do Guamá são constantemente abandonadas e criminalizadas por sua autonomia cultural.
Mestre 70 é há tempos um espaço comunitário. O bairro do Guamá o acolheu da mesma forma que uma mãe acolhe um filho. Sem julgamentos, cuidando, alimentando-o com diálogos e momentos de reflexão.
Acampamento Mestre 70: cultura e artes busca fortalecer esse acolhimento como colaborador ao se oferecer a comunidade e traz consigo um balaio de propostas para ações culturais.

O espaço cultural Mestre 70 espera por artistas livres cansados de discursos partidaristas. Precisamos de apenas 10% de você e 100% de sua Arte.